domingo, 31 de julho de 2011

nunca descobrimos o que fazer com o amor






















Sabemos vender sorrisos e mãos
corpos vazios ou completos às sedes redondas e ferozes
sabemos vender a língua que nos adeja pela pele
sabemos vender tudo que por dentro se move e até
o que se gastou entre segundos de um tempo infinito
mas nunca descobrimos o que fazer com o amor
que a brasa do anos de embalo não consome.



Sofia Loureiro dos Santos 




































Sem comentários:

Publicar um comentário