sexta-feira, 8 de abril de 2016

Se vivo, é só por ti, por ti
















Se entrego ao campo a erva

de um sol de cinza,
se apago com meu hálito todo o brilho,
se sou esta apagada lâmpada, esta fúria parada,
se escrevo estas palavras é porque sei que não sei.

Se quero ser, terei que te ouvir no silêncio,
no teu repouso inteiro, na penumbra do quarto.

Se vivo, é só por ti, por ti,
que fazes com que olhe e caminhe em frente,
para esse lugar, o nosso, o de todos, o de alguém.









António Ramos Rosa 






















Sem comentários:

Publicar um comentário