domingo, 13 de junho de 2010

assim sou, fútil e sensível























«E assim sou, fútil e sensível, capaz de impulsos violentos e absorventes, maus e bons, nobres e vis, mas nunca de um sentimento que subsista, nunca de uma emoção que continue, e entre para a substância da alma. Tudo em mim é a tendência para ser a seguir outra coisa; uma impaciência da alma consigo mesma, como com uma criança inoportuna; um desassossego sempre crescente e sempre igual. Tudo me interessa e nada me prende.»





 


Fernando Pessoa (Bernardo Soares), no seu 122º aniversário












Sem comentários:

Publicar um comentário