segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

remete-me, quando puderes, pacotes de chuva miúda

















viste que os dias não passavam
disto, e viste bem. desse lado
do céu, tens o melhor miradouro
sobre a madrugada. se encontrares
o pintainho que sepultámos,
em segredo e lágrimas, no
quintal das tias, pede-lhe o
arco da sua asa nas noites de lua nova.
remete-me, quando puderes,
pacotes de chuva miúda, gosto
de a ver decalcar a terra, fundir-se
com as sementes de milho
no canto da achadinha.


entretanto, vou montando o
telescópio, com as instruções
que me deste. põe-te à vista
e combinamos um gelado a
meio caminho,
à hora da infância.





Renata Correia Botelho


















9 comentários:

  1. Respostas
    1. é verdade Luís. possa ela ser atendida :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. eu gosto dos pacotes de chuva miuda... dava-me jeito :)

      Eliminar
  3. Às vezes, também podem ser pacotes de chuva grossa, daquela que faz barulho ao cair e é capaz de nos encharcar num minstante.

    Beijos, ana :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. aceito, Maria, aceito pacotes de chuva, seja como for :)

      Beijo

      Eliminar
  4. Pacotes de sonhos também são aceites...! Que lindo Ana. Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. quem consegue enviar pacotes de chuva miúda, envia certamente pacotes de sonhos, também :)
      obrigada Julia! bjo

      Eliminar