terça-feira, 12 de janeiro de 2016

E existes tu
















Há talvez um verso que não volte a encontrar, 
há talvez uma palavra que não volte a dizer, 
há talvez uma cor que não veja jamais, 
há talvez uma árvore em que não toque de novo. 

E existes tu, 

que sem encontrar, encontro, 
sem dizer, digo, 
sem ver, vejo, 
sem tocar, toco. 

A cada dia, a cada hora, a tua ausência se adentra mais em mim. 

Um dia, ela será eu. 

E eu, ser-te-ei.
















17 comentários:

  1. Muito bonito...

    existe sempre um Tu que nos inspira...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, nem que sejam diversos Tus, inventados Tus...

      Eliminar
  2. Respostas
    1. é a beleza na simplicidade, na limpidez das palavras :)

      Eliminar
  3. ...a cada hora...a cada dia isto por aqui é lindo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada Julia. Gosto muito deste poema, antes prosa ...

      Eliminar
  4. Respostas
    1. a vida dá tantas voltas, Maria... e reviravoltas :)
      (quem escreve assim, não para de escrever...digo eu...)

      beijo

      Eliminar