domingo, 20 de setembro de 2015

Não peças perdão, pede chuva




















Se existe uma chave,
se existe uma chave que não derreta na boca,
se existe uma boca capaz de se abrir para outra boca,
então eu amo, eu beijo, eu deixo de esperar.

Então tu saltas e arrastas contigo toda a terra.
Convidas-me para o teu corpo
no gesto sem mágoa de um ombro que se expõe.
Tens anos de combustão solar,
e moves-te assim:
tocando simultaneamente o resgate e o perigo.

Ah forte como a loucura é o amor,
o amor como a electricidade dos campos.
O amor-pirâmide,
o amor-trevo-de-quatro-folhas,
o amor-moeda-achada-no-chão.
Não digas sorte, diz privilégio.
Não peças perdão, pede chuva.
Não recues, assombra-te.























4 comentários:

  1. Respostas
    1. é muito mais que bonito. obrigada Flor :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. pois é Luis, eu peço chuva. chuva na terra, a falta que me faz... :)

      Eliminar