segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Era isto o depois






















E o amor transformou-se noutra coisa com o mesmo nome.
Era disto que falavam as mães quando davam conselhos
às filhas e diziam: o amor vem depois. Era isto o depois.
Uma ternura simples, quase dolorosa, muitos silêncios,
todas as horas do dia e um poema que se dissolve dentro
de mim e que, devagar, sem rosto, desaparece.






José Luís Peixoto



















4 comentários:

  1. escrevo poucas vezes a palavra amor porque amor não se escreve

    (lá está, transforma-se e vem)

    ResponderEliminar