quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Depois irei ali além das pontes















Debaixo do colchão tenho guardado
o coração mais limpo desta terra
como um peixe lavado pela água
da chuva que me alaga interiormente
Acordo cada dia com um corpo
que não aquele com que me deitei
e nunca sei ao certo se sou hoje
o projecto ou memória do que fui
Abraço os braços fortes mas exactos
que à noite me levaram onde estou
e, bebendo café, leio nas folhas
das árvores do parque o tempo que fará
Depois irei ali além das pontes
vender, comprar, trocar, a vida toda acesa;
Mas com cuidado, para não ferir
as minhas mãos astutas de princesa.




antónio franco alexandre

















4 comentários:

  1. o rato voltou, anda a roer palavras, como de costume... ;)

    ResponderEliminar
  2. adorei..transformou o meu dia ...bj e bom fim de semana.

    ResponderEliminar