sábado, 7 de dezembro de 2013

Sou finalmente o único fantasma da minha vida inteira.


















Risquei o último fósforo
e estou agora vazia,
não esperando sequer
o deserto. Posso de novo
sublinhar os livros
sem pensar noutros olhos,
numa vontade que não coincida;
como quem se despe
de portas abertas, luzes acesas,
buracos na roupa,
indiferente ao desejo
de vizinhos e espelhos.

Sou finalmente o único fantasma
da minha vida inteira.







Inês Dias









Sem comentários:

Publicar um comentário