domingo, 16 de agosto de 2015

remendavas velas em mim


















uma flor nem sempre é uma flor

(nunca o disse
quando via rosas
crescerem em ti)

um veleiro sem mastros pode navegar

(nunca o confessaste
quando remendavas
velas em mim)






josé luís almeida



























4 comentários: