terça-feira, 8 de agosto de 2017

hoje tenho a soma dos teus passos


















Eu não tinha muita coisa e hoje tenho
a soma dos teus passos quando desces
a correr os nossos treze degraus e
me prometes: até logo. Mas se
nada (ou só o nada) está escrito,
quem mais ama é quem mais tem
a recear. Com isso, passo horas
num rebate de dramáticos motivos:
engano-me na roda dos temperos,
ponho sal na cafeteira, maionese
no saleiro, vejo o mel mudar de cor
e se me chama o telefone empalideço
como o rosto do relógio da cozinha.
Só sossego quando as gatas me garantem
que chegaste e posso então, aliviado,
unir-me ao coro de miaus que te recebe,
para mais uma noite roubada ao escuro.





José Miguel Silva












2 comentários:

  1. Apetece dizer: «isto sim, é poesia».

    (se calhar estou a repetir-me, mas gosto muito do teu gosto poético, Ana)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada, Luís. eu gosto do que me toca :)

      Eliminar