terça-feira, 17 de agosto de 2010

Quando um dia nada mais houver











































Quando um dia nada mais houver;
Quando finalmente não mais ecoarem pelas paredes
os gritos de crianças a brincar no recreio
e toda a humanidade for afinal pó;
Restará ainda assim o meu amor por ti
como no primeiro dia
preso ao cheiro dos teus cabelos
caído no amante que sempre pretendi
e que conferiu a essa virtude humana
de ser um caminhante errático,
o mais elevado sentimento
de quem fixado com alma ama







Gastón Peke Cuadernos de todo























 

Sem comentários:

Publicar um comentário